Transporte de carga viva: tudo que você precisa saber

Transporte de carga viva: tudo que você precisa saber

Seja de dia ou à noite, o transporte de carga viva acontece sem parar! Das fazendas direto para as estradas, esse tipo de transporte movimenta as rodovias de todo o país e até mesmo no exterior. E não é à toa: o transporte de animais fomenta a economia e gera muitos empregos.

Mas apesar disso, este é, sem dúvidas, um dos transportes mais difíceis para se fazer. Afinal, são muitos cuidados para garantir o bem-estar animal e a segurança durante todo o trajeto realizado, e foi por isso que alguns grupos de ambientalistas exigiram novas regras para garantir que os animais não passem por sofrimentos desnecessários ou acabem feridos.

Por isso, nós separamos algumas dicas fundamentais para ficar em dia com o Conselho Nacional de Trânsito e o Ministério da Agricultura, sem gerar problemas à cerca desse trabalho.

Qual veículo é indicado para o transporte de carga viva?

Qual veículo é indicado para o transporte de carga viva?

Para realizar o transporte de carga viva, é fundamental utilizar um veículo com uma carroceria adequada. As fechadas são aquelas conhecidas como boiadeiras, essas são bem indicadas para a finalidade, já que garantem segurança ao animal e ao mesmo tempo permitem entradas de ar.

Além disso, os caminhões com dois eixos traseiros (truck) ou carretas são bem utilizados para este fim, além dos articulados e biarticulados, com um piso ou dois. Já os containers precisam ser adaptados para atender à determinada carga.

No caso do transporte de animais bovinos, uma das maiores preocupações dos especialistas é sobre o uso das carretas de dois pisos. Esse tipo de veículo se tornou comum, pois reduz o valor do frete por animal transportado. Porém, é necessário pensar que embarcar e desembarcar os animais deste tipo de transporte se torna muito mais complicado. Uma dica para solucionar este problema é utilizar os elevadores, que fazem com que o gado não precise mais andar pela rampa.

Seja qual for o veículo utilizado que ofereça conforto e não cause problemas, com as novas regras, em todos eles é preciso colocar um símbolo que indique que ali estão sendo transportados animais vivos e um número de emergência evidente se houver qualquer problema. Além disso, manter a manutenção em dia ajudará a evitar possíveis acidentes.

Verifique as condições em que o animal se encontra para realizar o transporte

Os animais precisam ser preparados para a viagem, o principal ponto é manter uma boa hidratação em todos eles, principalmente em viagens longas, já que se por acaso o animal perder água pela urina ou suor, há pesquisas que comprovam que ele não irá se recuperar em menos de 24 horas, resultando na qualidade da carne.

Os ruminantes não sofrem de enjoo e por isso podem comer horas antes. A legislação brasileira determina que os animais não podem ficar mais do que 12 horas sem alimentação e hidratação. Se a viagem for bem longa, o ideal é desembarcar os animais para que eles recebam comida e água.

Infográfico: o que todo caminhoneiro precisa ter dentro do seu caminhão

Como evitar imprevistos no transporte de carga viva

Como evitar imprevistos no transporte de cargas

Se houver todo um preparo para a viagem, verificando as condições dos animais e a manutenção do veículo, já é meio caminho andado para que o transporte dê certo.

É importante lembrar também que o animal tende a cansar a partir das 6 ou 8 horas de viagem. Se o animal se deitar por causa das longas horas, corre o risco de ser pisoteado por outros animais, por isso, o ideal é tentar levantar esse animal que deitou.

Como oferecer mais conforto aos animais durante o percurso da viagem

Como oferecer mais conforto aos animais durante o percurso da viagem

O principal desafio para quem trabalha com isso é conter um espaço suficiente para não causar problemas tanto para as pessoas como para os animais. O certo é ter um ambiente adequado para mantê-los em pé para que eles se sintam bem acomodados.

Outro ponto em destaque é o cuidado com as condições do pavimento do veículo. Se utilizar serragem, tome cuidado para que ela não seja muito fina, já que isso pode causar algum tipo de lesão aos animais.

Regularização do transporte de carga e novas fiscalizações

Regularização do transporte de carga e novas fiscalizações

A polêmica sobre este tipo de transporte só aumenta devido ao reconhecimento por parte de defensores dos animais sobre as condições em que muitos transportes de animais eram feitos. Foi por isso que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento decidiu, em 2019, fiscalizar ainda mais este tipo de transporte.

Em São Paulo, o apoio acontece com o Comando de Policiamento Rodoviário da Polícia Militar Paulista e com as concessionárias de rodovias. O objetivo maior é garantir o bem-estar tanto para os humanos como também para os animais e para o meio ambiente, em seguida isso também passará a valer para os demais estados do país.

O debate veio à tona por causa do número de acidentes envolvendo este tipo de trabalho. Nos últimos quatro anos, só no estado de São Paulo ocorreram 2.571 ocorrências envolvendo animais, isso mostra a importância da prevenção de acidentes, assim como a prioridade de garantir a saúde e bem-estar animal.

A partir do debate, ficou estabelecido que a velocidade que os caminhões trafegam, assim como as formas que as cargas são transportadas serão inspecionadas amplamente.

Como o motorista deve proceder durante o transporte de cargas vivas?

Como o motorista deve proceder durante o transporte de cargas vivas?

É fundamental ter um preparo por parte do motorista que faz o transporte. O ideal é ter um treinamento básico com as principais divergências do trabalho, além de contar com experiência no volante. É preciso ter muita cautela e evitar freadas bruscas, trafegar acima da velocidade permitida nas vias, além de ter que tomar mais cuidado nas curvas para não causar nenhum desastre.

No sul e sudeste, as vias são melhores. Mas os pontos críticos são o Norte e o Centro-Oeste. Em estradas cheias de buracos, a atenção deve ser redobrada para os animais não caírem e se ocorrer qualquer imprevisto, o motorista deve procurar apoio, com um plano para situações de emergência.

Mais dicas para um transporte de carga viva seguro

Mais dicas para um transporte de carga viva seguro

• Não embarque animais doentes ou com algum ferimento.

• Para levantar um animal que deitou devido ao cansaço, bata palmas ou fale com eles sem causar um susto nos animais.

• Paradas são fundamentais, mas é preciso parar o veículo em uma sombra, além de evitar paradas muito longas em horários mais quentes do dia.

• É necessário ter uma rota alternativa em mente, caso ocorra qualquer imprevisto.

• Não misture bezerros com animais adultos.

Com um bom preparo, transportar animais se torna simples e objetivo! Não arrisque sua vida e nem a vida dos animais, tenha sempre em mente quais são os planos e cuidados necessários.

Gostou do conteúdo? Veja outros no Blog de Caminhões e Carretas.

Check List do caminhoneiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *